casadesaorafael@gmail.com

         

      (35) 3422-2085

Responsive image

 

 

 

Câncer de Mama, uma ameaça

 

O Câncer de mama é a segunda causa de morte de mulheres no Brasil, ficando atrás apenas das doenças cardíacas. Estima-se que, todos os anos, morram cerca de 10 mulheres em conseqüência da doença no país. A detecção tardia e a chamada metástase (transmissão de células cancerosas para um órgão próximo) são os principais agravantes da doença.

Segundo a Sociedade Brasileira de Mastologia, 60% dos casos são identificados em estágios avançados, com tumores com mais de 5 cm de diâmetro. Nessa situação, a mastectomia (retirada do seio) é inevitável. Em tumores iniciais, com menos de 2 cm, pode ser feita uma cirurgia chamada quadrantectomia, que retira somente os nódulos.

“O diagnóstico precoce é o mais importante. E a própria mulher tem uma função muito relevante nesse processo. Aproximadamente 90% dos casos são notados primeiro pelas próprias pacientes”, afirma a mastologista Ana Lucia Moraes Ferrotti.

Periodicamente, a mulher, a partir dos 20 anos de idade, deve fazer o auto-exame das mamas, dez dias após a menstruação. Visitas freqüentes ao ginecologista ou mastologista também são importantes.

“Os cuidados devem ser intensificados após os 35 anos. As mulheres, além de se preocuparem com a saúde das mamas, devem estar atentas aos exames ginecológicos, que previnem, entre outras doenças, o câncer de colo de útero”, explica Ana Lucia.

As causas do câncer de mama ainda não são totalmente conhecidas pela ciência. No entanto, sabe-se que o risco de ter a doença aumenta em mulheres fumantes e que ingerem bebida alcoólica. Alterações hormonais, menopausa tardia (após os 50 anos) e a primeira gravidez, após os 30 anos também são apontados como fatores de risco. Além disso, há uma propensão genética. “Mulheres com casos de câncer na família, devem intensificar os cuidados”, frisa Ana Lucia.

Se, durante o auto-exame, a mulher notar nódulo (caroço) nos seios ou, então, tiver alguma secreção espontânea no mamilo ou retração da pele da mama, deve procurar um médico. Nesses casos, é necessário fazer uma mamografia, que faz um diagnóstico mais preciso. Nas mulheres com mais de 35 anos, o ideal é fazer o exame a cada dois anos. Em caso de histórico familiar da doença, a recomendação é que as mulheres façam mamografias a partir dos 20 anos.

Texto retirado do NOTICIA EM TRÂNSITO – ANO 3 – Nº 36

 

 

 

Saúde e Bem Estar - Câncer de Próstata

 

O Câncer de próstata é a segunda causa de óbitos por câncer em homens, sendo superado apenas pelo de pulmão. O aumento observado, nos últimos anos, nas taxas de incidência pose ser parcialmente justificado pela evolução dos métodos de diagnóstico, pela melhoria na qualidade dos sistemas de informação do país e pelo aumento na expectativa de vida do brasileiro.

Na maioria dos casos, o tumor apresenta um crescimento lento, de longo tempo de duplicação, levando cerca de 15 anos para atingir 1 cm3 e acometendo, em grande parte, homens acima de 50 anos de idade.



Fatores de Risco


Assim como em outros cânceres, a idade é um fator de risco importante, ganhando um significado especial no câncer de próstata, uma vez que tanto a incidência como a mortalidade aumentam exponencialmente após a idade de 50 anos. História familiar de pai ou irmão com câncer de próstata antes dos 60 anos de idade pode aumentar o risco de câncer de 3 a 10 vezes em relação à população em geral, podendo refletir tanto fatores hereditários quanto hábitos alimentares ou estilo de vida de risco de algumas famílias. A influência que a dieta pode exercer sobre a gênese do câncer ainda é incerta, não sendo conhecidos os exatos componentes ou por quais mecanismos estes poderiam influenciar o desenvolvimento desse tipo de câncer. Contudo, já está comprovado que uma dieta rica em frutas, verduras, legumes, grãos e cereais integrais, e com menos gordura, principalmente as de origem animal, não só pode ajudar a diminuir o risco dessa enfermidade, como também de outras doenças crônicas não transmissíveis.

Sintomas


Os principais sintomas do câncer de próstata são: hábito de levantar várias vezes à noite para urinar, dificuldade no ato de urinar e dor à micção.



Diagnósotico


O diagnóstico do câncer de próstata é feito pelo exame clínico (toque retal) e pela dosagem do antígeno prostático específico (PSA), que podem sugerir a existência da doença e indicar a realização de ultra-sonografia pélvica (ou prostática transretal, se disponível).



Tratamento


O tratamento do câncer de próstata depende do estágio clínico. Para doença localmente avançada, radioterapia ou cirurgia em combinação com tratamento hormonal tem sido os mais utilizados. Para doença metastática, o tratamento de eleição é hormonoterapia. A escolha do tratamento mais adequado deve ser individualizada e definida, após discutir os riscos e benefícios com o médico.



Como surge o Câncer de Próstata?



O Câncer de próstata surge quando, por razões anda não conhecidas pela ciência, as células da próstata passam a se dividir e se multiplicar de forma desordenada, levando à formação de um tumor. Alguns desses tumores pode crescer de forma rápida, espalhando-se para outros órgãos do corpo e podendo levar à morte. A grande maioria, porém, cresce de forma tão lenta que não chega a dar sintomas durante a vida e nem ameaçar a saúde do homem.

Como prevenir o Câncer de Próstata?


Até o presente momento não são conhecidas formas específicas de prevenção do câncer de próstata. No entanto, sabe-se que a adoção de hábitos saudáveis de vida é capaz de evitar o desenvolvimento de certas doenças, entre elas o câncer. Deste modo é importante:

- fazer no mínimo 30 minutos diários de atividade física;
- ter uma alimentação rica em fibras, frutas e vegetais;
- reduzir a quantidade de gordura na alimentação;
- diminuir o consumo de álcool; e
- não fumar.



Quem apresenta mais risco de contrair Câncer de Próstata?


Os dois únicos fatores associados ao aumento do risco de desenvolvimento de câncer de próstata são a idade e história familiar. Na grande maioria dos casos ocorre em homens com idade superior a 50 anos e naqueles com história de pai ou irmão com câncer de próstata antes dos sessenta anos de idade.

Fonte: Informativo da FHE e da Poupex – Ano IX – nº 117::Março/2007

 

 

CÂNCER: A Informação pode Salvar Vidas

 

:::::: DEZ DICAS PARA SE PROTEGER CONTRA O CÂNCER ::::::

 

1ª – Evite Fumar. Essa é a regra mais importante para prevenir o câncer. Ao fumar, são liberadas no ambiente cerca de 4.700 substâncias tóxicas e cancerígenas que são inaladas por fumantes e não fumantes. Para de fumar e de poluir o ambiente fechado é fundamental para a prevenção do câncer.


2ª – Alimentação. Uma alimentação saudável pode reduzir muito o risco de câncer. Coma mais frutas, legumes, verduras, grãos e cereais integrais, leite e derivados desnatados, queijo branco e menos alimentos gordurosos, salgados e enlatados. Sua dieta deve conter, diariamente, pelo menos cinco porções de frutas, verduras e legumes. Evite fritura, salgadinhos, carne de porco, carne vermelha com gordura aparente, pele de frango, embutidos, como lingüiça, salsicha e salame, e gordura hidrogenada. Apesar do azeite ser um tipo de gordura mais saudável, não deve ser exposto a altas temperaturas. Prefira alimentos cozidos e assados.


3ª – Atividade Física. Faça 30 minutos diários de atividade física, leve ou moderada. A atividade física protetora consiste na iniciativa do movimento, adaptada à rotina de cada um, como, por exemplo, trocar o elevador pelas escadas, levar o cachorro para passear, cuidar do jardim, varrer a casa, caminhar e dançar, entre outras.


4ª – Próstata. É aconselhável que homens, entre 50 e 70 anos, orientem-se sobre a necessidade de investigação do câncer de próstata em consultas médicas, principalmente se tiverem histórico familiar de pai ou irmão com câncer de próstata antes dos sessenta anos.


5ª – Exame ginecológico. As mulheres com idade entre 25 e 59 anos devem realizar exame preventivo ginecológico. Após dois exames normais seguidos, deverá realizar um exame a cada três anos. Para os exames alterados, deve-se seguir as orientações médicas.


6ª – Mamas. As mulheres com 40 anos ou mais, devem realizar o exame clínico das mamas anualmente. Aquelas que estiverem na faixa etária de 50 a 69 anos devem realizar ainda a mamografia a cada dois anos. Esses exames devem ser realizados mesmo que a mulher não perceba nenhum sintoma. Se uma pessoa da família - principalmente a mãe, irmã ou filha – teve esta doença antes dos 50 anos de idade, a mulher tem mais chances de ter um câncer de mama. Quem já teve câncer em uma das mamas ou câncer de ovário, em qualquer idade, também deve ficar atenta. Nestes casos, a partir dos 35 anos o exame clínico das mamas e a mamografia devem ser feitos uma vez por ano.


7ª – Bebidas alcoólicas. Evite a ingestão de bebidas alcoólicas. Os homens não devem tomar mais do que duas doses por dia, enquanto as mulheres devem limitar esse consumo a uma dose, correspondente a um copo de cerveja ou a uma taça de vinho.


8ª – Exame de Fezes. É recomendável que mulheres e homens, com 50 anos ou mais, realizem exame de sangue oculto nas fezes a cada ano (preferencialmente) ou a cada dois anos.


9ª – Exposição à luz solar. Evite exposição prolongada ao sol entre 10 h e 16 h, e use sempre proteção adequada, como chapéu, barraca e protetor solar. Se for inevitável a exposição ao sol durante a jornada de trabalho, use chapéu de aba larga, camisa de manga longa e calça comprida.


10ª – Higiene. Realize diariamente a higiene oral (escovação dos dentes e da língua) e consulte o dentista regularmente.


FONTE: Ministério da Saúde – Instituto Nacional do Câncer (INCA) - www.inca.gov.br